Indústria brasileira mantém trajetória de queda

Há pouco mais de três anos, no dia 25 de março de 2013, o Instituto de Economia Gastão Vidigal (IEGV) da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) publicou o primeiro número deste boletim, destinado a analisar a conjuntura econômica, ressaltando aspectos não tradicionalmente tratados, tanto na mídia especializada, como em publicações do gênero. Chega-se, assim, ao centésimo número do “Temas em Análise”, que, ao longo desse período tratou dos mais importantes tópicos da economia brasileira, numa periodicidade quase semanal, incluindo inflação, contas externas, atividade industrial, varejo, serviços e mercado do trabalho, sem deixar de considerar os cenários relevantes para os mercados internacionais.

Desde então, a economia brasileira tem apresentado impressionante deterioração em praticamente todos seus indicadores, especialmente no caso da indústria, que, em todo caso, desde o segundo número deste boletim, já mostrava sinais de enfraquecimento. Em março, a atividade industrial seguiu em queda de 11,4% ante o mesmo mês de 2015, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), marcando o impressionante recorde da vigésima quinta taxa negativa consecutiva nessa mesma base de comparação (Tabela 1). No primeiro trimestre, a contração acumulada alcançou a 11,7%, a maior desde 2009, ano em que a economia brasileira sofreu o impacto do estouro da “bolha” financeira internacional. O perfil de queda segue disseminado entre os diferentes segmentos, com apenas 23,7% do total mostrando crescimento.

Dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) de abril mostram alta de 6,9% na exportação de semimanufaturados (placas de cobre, ferro fundido, açúcar em bruto, ouro e madeira serrada). Além disso, começa a notar-se o início da redução dos estoques de alguns setores importantes. Essa recuperação, incipiente e pontual, ainda será insuficiente para reverter a trajetória de queda do setor para 2016, podendo, contudo, atenuá-la em relação ao ano passado.