ACIF apresenta Projeto Repensando Fernandópolis 2025

A Associação Comercial e Industrial de Fernandópolis (ACIF) lançou no último sábado, 30 de novembro, o Projeto Repensando Fernandópolis 2025, que fará parte do Plano Diretor Estratégico do município, durante uma audiência pública na escola Coronel, com a presença do prefeito André Pessuto.

Para contribuir com a cidade, a associação apresentou para autoridades locais do poder legislativo e executivo, soluções nas áreas de desenvolvimento econômico. O plano prioriza o trabalho em conjunto entre entidades privadas e públicas com foco em Fernandópolis, com soluções viáveis, práticas e atingíveis.

O projeto surgiu através de consultoria com foco em dados, em parceria entre a Levels Inteligência, LNV (Lima, Nunes e Volpati) e ACIF. O plano diretor estratégico 2025 foi criado com o objetivo de desenvolver, de forma pensada e estratégica os principais setores econômicos da cidade. Todo o projeto foi elaborado após estudos técnicos e pesquisas comparando Fernandópolis com os 144 municípios de porte semelhante (60 a 80 mil habitantes) e também com os municípios da região.

Na manhã desta segunda-feira, 2 de dezembro, foi apresentado na sede da ACIF para à sociedade fernandopolense o projeto com os potenciais econômicos e oportunidades de desenvolvimento do município. “O foco da associação é junto ao poder público criar políticas públicas e sociais melhores, mais próximas da realidade e das necessidades locais”, destacou o presidente da Associação, Mateus Morales.

Com o apoio da consultoria especializada realizada pela Levels Inteligência, o estudo buscou definir o perfil e os potenciais econômicos de Fernandópolis. “Fernandópolis precisa dar um passo a mais com metas definidas, com propostas e vantagens competitivas que a cidade possui, só com união de esforços avançamos e crescemos”, afirmou o advogado Leonardo Volpati, responsável pelo plano diretor estratégico. Leonardo ainda destacou a importância do Plano diretor para o desenvolvimento da cidade garantindo o norte do desenvolvimento, “temos que pensar no suporte ao planejamento socioeconômico”, disse Volpati.

O Presidente da ACIF, Mateus Morales, acredita na implantação de soluções inspiradas em outros municípios e com resultados concretos para o crescimento econômico de Fernandópolis. “Precisamos buscar inspiração em lugares que tiveram soluções que se mostraram exitosas. Tenho certeza que este planejamento estratégico vai ajudar no desenvolvimento de Fernandópolis”, disse Mateus.

 O estudo socioeconômico projeto “Repensando Fernandópolis 2025” contém, principalmente, as seguintes informações:

  1. Nível de instrução de colaboradores por área econômica de Fernandópolis;
  2. Valor Adicionado Bruto (VAB) de cada área econômica;
  3. Nível de crescimento do VAB e do PIB em série temporal.
  4. Comparativo entre crescimento econômico de cada setor econômico disposto em série temporal.
  5. Tipo de empregos mais demandados e grau de dependência econômica por setor econômico;
  6. Nível salarial e distribuição de renda por setor econômico.
  7. Nível de especialização e impacto sobre a economia.
  8. Comparativo de dados entre 144 municípios de mesmo porte no Brasil (60 a 80 mil hab)
  9. Comparativo de dados entre municípios da região noroeste paulista.
  10. Regressão linear para identificar insumos que geram desenvolvimento de setores estratégicos.

PRINCIPAIS PROPOSTAS RESULTANTE DOS ESTUDOS DO PROJETO REPENSANDO FERNANDÓPOLIS E APRESENTADOS PARA O NOVO PLANO DIRETOR

Diretrizes e Metas para área do Comércio de Fernandópolis.

  1. Modernização do centro comercial de Fernandópolis (PRINCIPAL PROPOSTA).
  2. Capacitação e estímulo para empreendedores para a abertura de novos negócios;
  3. Capacitação de colaboradores para aprimoramento do atendimento e gestão de novos negócios;
  4. Meta prevista no plano diretor estratégico:  “Favorecer a abertura de, pelo menos 1.000 novas empresas, devendo gerar, ao menos, 2.000 mil empregos até 2025.”

Diretrizes e Metas para área Industrial de Fernandópolis

  • 1. Revitalização da infraestrutura disponível para os distritos industriais (PRINCIPAL PROPOSTA).
  • 2. Abertura de Novos distritos industriais com a infraestrutura necessária (em especial Água, Esgoto e Energia Elétrica suficientes).
  • 3. Aprimoramento do Grupo de Análise de Empreendimentos – criação de critérios objetivos na concessão de áreas e benefícios ao empreendedor.
  • 4. Promoção do Sistema de Inspeção Municipal como diferencial para área industrial.

Diretrizes e Metas para área de Serviços de Fernandópolis

  1. Política de capacitação de novos trabalhadores através de elaboração de um calendário de eventos, cursos e capacitações sobre novos negócios.  (PRINCIPAL PROPOSTA)
  2. Apoio das associações civis fornecendo sugestões de formato e conteúdo do calendário de cursos e capacitações.
  1. META: A política de desenvolvimento estratégico do Setor de Serviços terá como objetivo final a promoção de parcerias de capacitação de, pelo menos, 2.000 novos trabalhadores e empreendedores, favorecendo a possibilidade de abertura de novos negócios e agregação de valor aos negócios já existentes;

Diretrizes e Metas para área de Turismo de Fernandópolis

  1.  O aumento de 100% da capacidade de hospedagem mapeada no inventário turístico municipal; (PRINCIPAL PROPOSTA)
  2. Criação do Plano Diretor Turístico;
  1. promoção das atrações apontadas pelo inventário turístico municipal;
  2. criação de novas atrações que possuam potencial turístico;
  1. O desenvolvimento do turismo de balneário e turismo rural;
  2. A articulação entre as políticas de desenvolvimento estratégico comercial e de serviços a fim de agregar valor ao turismo local;
  3.   A manutenção do município de Fernandópolis no Mapa de Interesse Turístico Estadual;
  1. O credenciamento do município de Fernandópolis nos programas de repasses de recurso do governo federal;
  1. A articulação com a Embratur e órgãos de promoção estadual a fim de promover Fernandópolis como instância turística da região dos Grandes Lagos;
  • Os critérios de caracterização de região de influência econômica serão:
  • I – Dependência comercial;
  • II – Dependência na prestação de serviços;

III – Levantamento de dados sobre pessoas, provenientes de outros municípios, que possuam relação econômica com Fernandópolis;

  1. Criação da  Zona de Interesse Turístico é caracterizada pelas áreas, previamente mapeadas, e que constam de concentração de monumentos e áreas de potenciais turísticos.

I – Áreas do entorno de clubes com potencial turístico;

II – Áreas do entorno do Centro de Exposições de Fernandópolis;

III – Áreas que possam vir a desenvolver o turismo rural;

  1. Parágrafo único. A lei de uso do solo deverá promover a melhor adequação de modo a favorecer o turismo rural e o turismo de balneário.

Diretrizes e Metas para a área de Regularização Fundiária em Fernandópolis

I – Regularizar os assentamentos ilegais e titular seus ocupantes;

II – Fiscalizar a circunscrição municipal para coibir o surgimento de novos assentamentos ilegais;

III – Conscientizar a população das limitações legais ao uso do solo.

  1. Promoção de condomínios fechados em áreas no entorno do município. Nos casos que a lei de uso do solo, opte pela modalidade de condomínios fechados, a concessionária deverá comprometer-se a custear, executar e manter as redes de infraestruturas obrigatórias para loteamentos, previstas nesta Lei, e suplementarmente custear e executar.
  2. Em regiões de chácaras de uso recreativo ou de lazer, deverá o poder público atualizar a legislação de uso do solo de modo a delimitar o limite de fracionamento e a modalidade e responsabilidade dos condomínios.
  3. Meta: A política de desenvolvimento estratégico Fundiário terá como objetivo final a promoção de parcerias para a regularização de, pelo menos, 25% dos imóveis urbanos irregulares.